Vitor é um designer gráfico trabalhando na intersecção entre projetos impressos e digitais para clientes dos setores cultural e comercial. Com interesse no uso nuançado da tipografia e na dimensão conceitual da materialidade, todo projeto é desenvolvido considerando cuidadosamente as especificidades do conteúdo. Atualmente morando em Belo Horizonte, Vitor é bacharel em Design Gráfico pela Universidade do Estado de Minas Gerais, com um ano de estudos na Parsons School of Design em Nova Iorque.

BDMG Cultural

No contexto da celebração dos trinta anos do Instituto Cultural do BDMG, este livro compila estudos sobre uma diversidade de assuntos em duas seções: a primeira em torno de Belo Horizonte, impressa em papel cinza; e a segunda em torno de Minas Gerais, impressa em papel amarelado. Enquanto cada artigo é introduzido por uma pauta relacionada ao tema delineado, as notas de rodapé foram tratadas como notas laterais, fazendo sutil alusão à marginalia. Uma sobrecapa plástica recorrentemente utilizada em cadernos escolares acentua a natureza do livro e protege o objeto produzido para ser distribuído gratuitamente.

Produção gráfica com Gabriela Silva

15,8 × 22,5 cm; impresso em offset

Sobrecapa plástica do livro Estudos sobre Belo Horizonte e Minas Gerais nos trinta anos do BDMG Cultural.
Capa do livro.
Dupla de páginas com introdução a primeira parte: "Escrita, memória, movimento: BH 120 anos".
Detalhe do título de um artigo.
Primeira dupla de páginas de um artigo.
Dupla de páginas de um artigo.
Dupla de páginas de uma artigo com fotografia.
Dupla de páginas com introdução à segunda parte: "Minas e seus caminhos".
Primeira dupla de páginas de um artigo.
Dupla de páginas de um artigo com tabela.
Detalhe da lombada do livro.

Coleção Teatro Contemporâneo

A Coleção Teatro Contemporâneo é uma coleção criada pela Javali com o objetivo de publicar livros acessíveis que celebram autores brasileiros contemporâneos. A estrutura específica dos textos de teatro foi dissecada em um sistema que utiliza de duas faces tipográficas distintas, uma atuando como a voz passiva que descreve as cenas (rubrica) e a outra como o que está sendo dito pelos personagens, criando uma estrutura eficiente para leitores convencionais e atores que utilizam do livro como ferramenta de ensaio. Cada capa apresenta uma face tipográfica única que reflete o conteúdo do livro e que permeia seu interior sempre que possível. Para o primeiro livro da série, Trilogia Abnegação, de Alexandre Dal Farra, uma incômoda Akzidenz-Grotesk em caixa alta ecoa a linguagem simples e forte de seu conteúdo.

Com Amanda Goveia

12,25 × 18,5cm; impresso em offset

Capa do livro Trilogia Abnegação.
Páginas do livro Trilogia Abnegação.
Abertura do primeiro capítulo da Trilogia Abnegação.
Páginas com a ficha técnica da peça de teatro da Trilogia Abnegação.
Páginas 18 e 19 do livro Trilogia Abnegação.
Fim de capítulo da Trilogia Abnegação.
Abertura do segundo capítulo da Trilogia Abnegação.
Páginas do terceiro capítulo da Trilogia Abnegação.
Páginas do terceiro capítulo da Trilogia Abnegação.

Postais Eletrônicos

Série de cartões postais concebida para enfatizar a relação entre ferramentas digitais e analógicas como uma metodologia de trabalho. Uma coleção de quarenta cartões postais frances do século XIX foi impressa sobrepostamente utilizando tinta azul fluorescente como uma metáfora para a tela, fornecendo um novo significado para um conjunto de objetos de vida expirada.

9 × 14cm, serigrafia em 2 cores

Dupla de postais impressos em serigrafia.
Dupla de postais impressos em serigrafia.
Postal impresso em serigrafia.

Leo Santana

Design e desenvolvimento de website responsivo para o artista Leo Santana, projetado para organizer seu grande corpo de trabalho, iniciado em 1987. Uma abordagem tipográfica refinada concede uma interpretação literária às obras, que são em sua maioria comissionadas, ao contrário de auto-iniciadas. Cada uma das páginas principais foi projetada de modo a sugerir a natureza de seu conteudo: estaticidade, escala, permanencia, efemeralidade etc. O site foi atualizado em 2017 para incluir um CMS e uma loja que almeja vender obras de pequena e média escala a potenciais colecionadores.

Visitar website

Página principal do website mostrando uma lista de projetos com thumbnails.
Interior da página de projeto.
Página de exposições, mostrando lista de exposições realizadas entre 1987 e 2016.
Página de biografia, listando todos os projetos e exposições.
Fachada da loja mostrando uma seleção de produtos ordenada de A a Z.
Página da obra Cristiano.
Fotografia fullscreen da obra anterior (Cristiano).
Mockups mobile do website.

Moradia em Nova Iorque

Série de cartazes projetados após a curadoria de fatos e mitos sobre a falta de moradia em Nova Iorque. Um conjunto de quatro cartazes foram impressos sobre a seção imobiliária do The New York Times e então pendurados/descartados pelas ruas.

Fotografia de rua por Vitor Meuren

22 × 24", serigrafia em uma cor

Publicado no Designboom

Publicado nos livros The Design of Dissent, Expanded Edition e Typography

Fato — Na cidade de Nova Iorque existem mais prédios vagos e lotes do que pessoas sem moradia.
Close do cartaz anterior destacando sua textura.
Fato — A cidade de Nova Iorque têm número récorde de bilionários e pessoas sem moradia.
Mito – Forasteiros que abusam do direito a abrigo da cidade de Nova Iorque são a causa do récorde de falta de moradia.
Fato — A falta de moradia não é um problema de moradia mas sim um problema de trabalho.
Cartaz no chão de um parque em Nova Iorque.
Cartaz no chão de um parque em Nova Iorque, crianças passado do seu lado.
Cartaz sendo exibido em um display publicitário em Nova Iorque.
Cartaz na entrada principal do metrô da Union Square, Nova Iorque.

Ampersand

Um livro para minha parceira, que na época vivia a um oceano de distância. Projetado sobre uma coleção de ilustrações científicas de flores em conjunto com uma seleção de haikus de Paulo Leminski, ocasionalmente permeados por uma crônica escrita pelo neo-concretista Ferreira Gullar.

3½ × 5¼", 80 páginas

Capa do livro Ampersand.
Páginas de sumário.
Dupla de páginas com flor e haiku.
Dupla de páginas com flor e haiku.
Dupla de páginas com haiku e flor.
Dupla de páginas com haiku e flor.
Dupla de páginas com texto longo.
Contracapa do livro Ampersand.

Bacha & Ferreira

Identidade para sociedade de advocacia criminal que trabalha majoritariamente para clientes de baixa renda. O logotipo foi projetado pelo redesenho da letra “a” (em uma versão de um andar) de uma fonte que de outro modo seria excessivamente austera. O material impresso mitiga a presença do logotipo em favor de uma apresentação clara das informações de contato.

Com Júlia Maia e Augusto Brant

Cartões de visitas Bacha & Ferreira.

Cyanotype

Livreto impresso em cianotipia explicando a ciência por trás do processo de impressão. O objetivo deste projeto era interpretar e traduzir uma cor em um livreto de dezesseis páginas tamanho carta. A cor designada foi o Ciano e a interpretação foi materializada pela justaposição de um artigo científico impenetrável sobre cianotipia e o próprio processo de impressão.

8½ × 11", 16 páginas

Capa do livreto.
Dupla de páginas 4 e 5.
Dupla de páginas 6 e 7.
Detalhe da dupla das páginas 6 e 7.
Dupla de páginas central, 8 e 9.
Dupla de páginas 10 e 11.
Dupla de páginas 12 e 13.
Detalhe da dupla de páginas 12 e 13.

Dead Objects

Projeto com o objetivo de explorar objetos desprovidos de seus significados originais. Artefatos foram coletados e documentados entre 16 de Outubro e 23 de Janeiro (2017–2018), resultando em uma série de cem fotografias. O website foi projetado e desenvolvido para expor os objetos individualmente, criando uma atmosfera irônica de uma galeria de arte que é reafirmada pelo uso de espaço vazio e de uma face tipográfica grotesca em preto. Um índice ordenado alfabeticamente ou numericamente serve como a navegação principal. Inspirado pelo workshop de 100 dias de Michael Bierut na Yale School of Art.

Visitar website

Página de piso tátil.
Página de revista Cláudia.
Página de câmara de ar de bicicleta.
Página de fita cassette.
Página de disquete.
Página de tipo de madeira ampersand.
Página de índice.
Páginas responsivas.

Duplo, Guto

Primeiro lançamento de Guto, Duplo é um EP construído acerca da discussão sobre a dualidade da identidade, aspecto inerente à condição humana. O envelope para o disco de vinil de 10" apresenta um painel de neon fotografado sobre um típico cenário de mato seco. A fotografia foi reproduzida em três cores para replicar a atmosfera onírica da cena real. A contracapa lista as letras das canções com uma densa composição tipográfica, propositalmente arranjada ao lado de colunas vazias; o jogo de palavras dos versos é sugerido por meio de um conjunto de glifos e diacríticos inventados.

Com Júlia Maia e Augusto Brant

26 × 26 cm, impresso em offset

Capa do disco de vinil.
Contracapa do disco de vinil.
Sleeve do disco de vinil.
Lado A do disco de vinil.
Lado B do disco de vinil.

Fuck Committees

Pequeno livreto para o manifesto de Tibor Kalman de 1998. Projetado com uma face tipográfica, uma cor e uma folha tabloide dobrada.

2¼ × 3⅜", caderno de 16 páginas

Capa do livreto.
Primeira dupla de páginas do livreto.
Dupla de páginas com tipografia grande e pequena.
Dupla de páginas com texto corrido.

Os Indicados

Indentidade visual e cartaz para uma peça de teatro escrita e dirigida por Vinícius Souza, apresentando dois amigos de infância anônimos que devem ensaiar para um discurso de um prêmio que eles podem ganhar. A peça de ritmo acelerado e estrutura sóbria gira em torno da luta para encontrar uma voz e tomar uma posição em meio a uma crescente crise política. A linguagem gráfica foi imaginada como uma tradução da tensão oscilante sobre a qual o roteiro foi construído, refletindo uma sociedade polarizada e a busca incessante por uma identidade brasileira. O cartaz impresso frente e verso também atua como programa, destacando os temas e as pessoas envolvidas na peça.

Com Letícia Naves

30 × 44 cm, impresso em offset

Cartaz dobrado.
Página dupla do programa.
Cartaz aberto.

Please Come to the Show

Curadoria e design para catalogo fictício de convites impressos do MoMA, dos anos 1960 até o presente. As peças que continham forte apelo tipográfico foram selecionadas e categorizadas em quatro momentos distintos: datilografados, manuscritos, serifas e sem serifas—com a palavra ‘please’ dividindo cada uma das seções. A capa foi impressa em serigrafia utilizando tinta vermelha fluorescente, suplicando por atenção.

14,8 × 21cm, 48 páginas

Publicado no livro Flipping Pages

Capa do catálogo.
Dupla de páginas iniciais.
Páginas com convite de Warhol.
Páginas com palavra 'Please' ampliada.
Dupla de páginas finais.

Holocausto

Livro de bolso inteiramente tipográfico, realizado a partir de um artigo de Wikipedia e projetado manipulando ideas avessas de peso e vazio. Uma série de dispositivos tipográficos foram utilizados para manter o corpo de texto o mais pesado possível em sincronia com um certo nível de leiturabilidade. As citações dentro do texto foram projetadas como memórias desvanecendo e as introduções de cada capítulo caem sobre a calha para criar uma ligeira sensação de desconforto.

4¼ × 6.88", 136 páginas

Capa do livro com a introdução de seu texto.
Páginas iniciais do livro, continua o texto anteriormente na capa.
Fim das páginas introdutórias com tipografia grande.
Páginas expondo o sistema de layout do livro.
Entrada cinematográfica para um dos capítulos do livro em que se lê 'Wansee conference...'.
Continuando o texto da imagem anterior—'...and the final solution 1942–1945'.
Outras páginas expondo o sistema de layout do livro.

Biblioteca Irradiada

Este projeto procura traduzir as experiências que definem o livro impresso e a biblioteca física em um website. Tomando o conceito da Biblioteca Irradiada de Paul Otlet e o que ele entendia como o contexto social dos documentos, a estrutura do website é construída tomando como partida as experiências sensoriais de navegar entre documentos em uma biblioteca, traduzindo-as em metáforas de comportamento. O alicerce do website é definido sobre a ideia de uma navegação através da escala, tempo e volume, cada um definindo uma maneira diferente de se experienciar uma coleção de textos que de outra forma não seriam diretamente relacionados. Cada texto é representado por uma forma que simboliza sua transição do papel a tela. Os documentos foram organizados em diferentes categoria, cada uma associada a uma face tipográfica que realça suas textura linguística intrínseca. Ao invés de serem dispostos individualmente, os textos são abertos em justaposição, criando uma cacofonia de diferentes expressões visuais e verbais.

Homepage do website.
Menu do website mostrando escala, tempo e volume.
Uma representação em linha do tempo para o modo tempo.
O volume é representado pelo espaço vertical que cada texto ocupa na tela.
Textos em justaposição.